Skip to content

A importância do Mobile para o seu E-commerce

Os números do comércio eletrônico só crescem no mundo todo. Muitos negócios “físicos” aderiram a essa modalidade de vendas. Outros surgiram e se desenvolveram no próprio universo online e nem sequer têm lojas físicas. Em 2016, na contramão da crise, o E-commerce faturou R$ 44,4 bilhões só no Brasil. 48 milhões de consumidores fizeram compras online pelo menos uma vez no ano. E não para por aí, o setor deve crescer 12% esse ano.

Esses índices vêm acompanhando uma tendência de crescimento no segmento ao longo dos anos e já eram esperados. Mas um número que anda superando as expectativas é o de transações realizadas em dispositivos móveis: 21,5% em 2016, quase o dobro do percentual de 2015. Embora as compras a partir de computadores e notebooks ainda façam parte da rotina da grande maioria de consumidores digitais (78,5% em 2016), esse número deve ir cedendo gradualmente. A projeção da Ebit para o crescimento da participação dos smartphones em 2017 é de 41%, podendo chegar no final do ano a 32% do total de compras virtuais.

Se você tem ou gerencia um comércio eletrônico, somente esses números já deveriam ser suficientes para fazer você reavaliar sua presença no mobile. E dependendo do segmento sócio-econômico em que você atua, o cenário pode ser ainda mais radical. Por exemplo: embora os consumidores das classes A e B sejam os que têm maior participação na compra de smartphones e planos de dados, os das classes C e D, na maior parte das vezes, só acessa à internet a partir de dispositivos móveis, já que é comum esse ser o único aparelho para esse fim em sua residência.

E qual é o “formato” ideal para uma experiência de sucesso do seu site de vendas no ambiente móvel? Bom, aqui o segredo é pensar na usabilidade e a escolha vai depender do conteúdo do seu site. Há basicamente duas possibilidades: site responsivo e versão mobile. A diferença é bem simples, um site responsivo se adapta à tela do dispositivo em que abre, respeitando as dimensões do aparelho, porém carregando todo o conteúdo que exibiria também no desktop. A versão mobile é um outro site, pensado especificamente para um smartphone e que dispensará parte do conteúdo da versão original, mantendo somente o essencial para a navegação móvel. Assim, se o seu E-commerce possui um blog integrado, você pode optar por não apresenta-lo na versão mobile, uma vez que a leitura de grandes porções de texto em um celular não é uma experiência tão agradável.

Outra possibilidade é o desenvolvimento de um App exclusivo de vendas para o seu negócio. Existem algumas vantagens em se ter um aplicativo instalado no celular do cliente. Uma delas é a praticidade, uma vez que basta clicar no ícone do App para começar a comprar, sem a necessidade de abrir um navegador e buscar ou digitar o endereço da loja. De acordo com a pesquisa do Digitalks sobre o comportamento de compra do consumidor no mobile, 18% utilizam apenas aplicativos e 15% apenas o smartphone, enquanto 24% usam as duas modalidades. Minha dica é: se puder, tenha os dois, um site adaptável e um aplicativo. Nesse caso, quanto mais opções, melhor!

Em qualquer um dos casos, invista em usabilidade e velocidade de carregamento, pois se o site for lento, a probabilidade do consumidor desistir da compra no mobile é muito grande. Praticidade e agilidade também são itens essenciais na compra pelo celular, segundo consumidores entrevistados na pesquisa. O travamento do App é a causa de desistência de compra para 56% do público, enquanto que 50% desiste se estiver lento. Muitos passos para finalizar a compra, não conseguir visualizar os produtos, usabilidade ruim, a redução de informação sobre produtos e a falta da opção “continuar comprando” foram as principais reclamações.

Por Paulo Santiago

Comentar

Plain text

  • Nenhuma tag HTML permitida.
  • Endereços de páginas de internet e emails viram links automaticamente.
  • Quebras de linhas e parágrafos são feitos automaticamente.
12 + 5 =
Resolva este problema matemático simples e digite o resultado. Por exemplo para 1+3, digite 4.